Fantástico estreia nova abertura e retoma dança:
Fantástico (Divulgação)

Em janeiro, a Globo lançou o projeto O Brasil Que Eu Quero. Nele os moradores dos municípios das cinco regiões do país enumeravam seus desejos. E diziam o que esperavam do futuro. Os vídeos enviados foram exibidos, a partir de março, nos telejornais da emissora e em programas como Fantástico e Como Será?.

No Fantástico deste domingo, dia 30, a repórter Sônia Bridi e o repórter cinematográfico Paulo Zero percorrem o Brasil para mostrar alguns dos problemas apontados. E ainda os temas mais citados pela população. São eles educação, corrupção, cidadania, saúde e segurança. O pedido de uma estudante paraense, por exemplo, é por ensino público de qualidade e melhores condições de transporte para levá-la até a escola.

Leia também: Bruna Marquezine ostenta com capa de celular caríssima da Gucci

No Rio Grande do Sul, uma gaúcha pede solução para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) inaugurada há dois anos. Esta que até hoje não funciona. Um morador de Goiás pede saneamento básico, pois convive com esgoto a céu aberto há 35 anos. Na Bahia, o pedido é por moradia digna para a esposa e os sete filhos. E na região metropolitana do Rio de Janeiro, uma criança de seis anos quer apenas ter o direito de brincar na rua em segurança.

Ainda no Fantástico

A nova série “Planeta Azul”, uma produção da BBC, mostra os mistérios que existem nos setenta por cento do planeta cobertos por oceanos e mares. Durante quatro anos, a rede de TV britânica percorreu 39 países. E captou seis mil horas de gravações submarinas, que revelam descobertas surpreendentes. Ao longo de seis episódios, serão exibidas histórias como a dos estranhos polvos. Eles se disfarçam nas profundezas do oceano para escapar da morte. Os gigantescos peixes que pulam para pegar pássaros no ar; e até o ataque de um tubarão-martelo.

Na segunda reportagem especial sobre a Coreia do Norte, o repórter Álvaro Pereira Júnior apresenta a vida no interior. A comida que é ao mesmo tempo doce e apimentada, as fábricas limpíssimas e organizadas, o zoológico dos tigres tristes, e até estudantes que aprendem português.