Geraldo Luis, Fabiola Reipert e Renato Lombardi no quadro A Hora da Venenosa
Geraldo Luis, Fabiola Reipert e Renato Lombardi no quadro A Hora da Venenosa: programa abre vantagem para a Globo sem concorrência com o Vídeo Show (Reprodução)

Completados no último dia 11 de janeiro, o 1 ano do fim do Vídeo Show mostrou que a atitude da Globo de tirar o programa no ar ainda não surtiu efeito prático. A emissora carioca segue perdendo para a Record TV e o quadro A Hora da Venenosa, do Balanço Geral, no horário das 14h, onde o antigo programa de variedades era exibido.

Segundo levantamento obtido pelo Observatório da Televisão com exclusividade, neste período, o quadro apresentado por Fabíola Reipert fechou com 10,4 pontos de Ibope na Grande São Paulo e 24% de participação.

Além disso, em 2019, já sem o Vídeo Show no ar, o Balanço Geral atingiu o seu recorde de minutos na liderança. Foram 12.568 minutos de audiência na liderança – equivalente a 209 horas e 28 minutos. A maioria desses minutos foi com o quadro de fofocas.

Neste período, a Globo ficou em segundo lugar com 9.3 pontos e o SBT em terceiro com 7.6 pontos. Antes de sair do ar, o Vídeo Show tinha uma disputa mais acirrada com a Venenosa. Em 2018, por exemplo, o quadro foi líder com 9.9 contra 9.6 da Globo – um empate técnico resolvido nos detalhes. Sem o Vídeo Show, A Hora da Venenosa disputou números em 2019 com a Sessão da Tarde e a partir de setembro com o Se Joga.

Sem o Vídeo Show, A Hora da Venenosa teve seu melhor ano na história, atingindo alto Ibope e participação. De forma consolidada, o quadro é líder desde agosto de 2018 – ou seja, faz 17 meses. O que acha a atenção é que o fim do Vídeo Show fez Fabíola Reipert abrir distância e não perder público, como a Globo esperava.

Balanço Geral teve ano atribulado

Já o Balanço Geral em si também foi bem. Bateu recorde de participação em 2019 com 19,7% dos televisores ligados. Na média geral de audiência, atingiu 8,6 pontos de Ibope, mesmo índice de 2018. Neste ano, o programa trocou de apresentador. Saiu Reinaldo Gottino, que foi para a CNN Brasil e entrou Geraldo Luís, que retornou ao programa.