Camila Rodrigues e Felipe Cunha na cena final de Topíssima (Reprodução / Twitter)
Camila Rodrigues e Felipe Cunha na cena final de Topíssima (Reprodução / Twitter)

Novela que se encerrou na última segunda-feira (9) na Record TV, Topíssima finalizou sua trajetória cumprindo sua missão. A trama terminou sua última semana cheia sendo, disparadamente, a maior audiência nacional da emissora paulista, com larga vantagem ao segundo colocado.

Segundo dados confirmados pelo Kantar Ibope, o folhetim protagonizado por Felipe Cunha e Camila Rodrigues fechou com 9.8 pontos de média contando a média das 15 principais praças do Brasil. A segunda colocação ficou com o Jornal da Record, que fechou com 8.5 pontos.

Entretanto, pelo Brasil os números são bastante expressivos em algumas partes do Brasil. Em Salvador, o folhetim fechou com média semanal de 17,8 pontos de audiência. Já em Goiânia, o folhetim fecha com 15,3 pontos de Ibope e briga pela liderança. 

No entanto, existem cidades onde a novela não é tão vista. Em Manaus, onde a Record TV ainda está implementando uma emissora própria, a trama marca apenas 4,9 pontos de audiência. Outras cidades onde a novela vai mal são do sul do país como Porto Alegre (6,9 pontos) e Florianópolis (6,2 pontos). 

Amor Sem Igual estreou mantendo os índices de audiência

 Amor Sem Igual não estreou exatamente com o pé direito. Mesmo tendo sido o programa mais visto do dia na Barra Funda, a obra assinada por Cristianne Fridman teve um dos piores lançamentos de sua faixa.

De acordo com dados consolidados do Ibope, a saga da prostituta Poderosa (Day Mesquita) debutou com média de 9 pontos na Grande São Paulo na última terça (10). É menos do que as duas últimas novelas do horário, a inédita Topíssima (9,3) e a reprisada A Terra Prometida (9,9), atingiram em seus respectivos primeiros capítulos.

Considerando o histórico completo de suas antecessoras, Amor Sem Igualsupera apenas a estreia de Belaventura(8,1) e da reprise de Os Dez Mandamentos (6,5). Fica atrás também, portanto, de Escrava Mãe (13,9) e da reapresentação anterior de A Escrava Isaura (14,4) na mesma base de comparação.